(19) 3651-3912 | contato@paideia.org.br

Como guerras atuais aparecem nos vestibulares

27 de junho de 2023Categoria: Novidades

Texto retirado de Guia do Estudante. Clique para ver o conteúdo original.

O estudante que está ligado no noticiário tem acompanhado, diariamente, os desdobramentos da Guerra na Ucrânia. As consequências sociais, políticas e econômicas do conflito, entre elas a questão energética, têm impactado o mundo todo. Mas e os vestibulares diante desse cenário? Como as provas podem tratar dessa e de outras guerras em andamento?

De prontidão, o professor de Geografia e Atualidades do Anglo, Sebastian Alvarado, esclarece que os vestibulares não costumam abordar um conflito em si, como tema central de uma questão, mas sim o contexto geopolítico dele. Isso significa que as provas buscam avaliar se o estudante é capaz de identificar quais são as origens e motivações de rivalidade entre dois ou mais países e como isso pode desencadear em uma guerra de fato.

Recentemente, vimos uma escalada nas tensões entre China e Taiwan, com envolvimento dos Estados Unidos como agravante. As provas, no entanto, não exigiriam do candidato informações recentes sobre o caso, mas possivelmente perguntaria a respeito de suas origens – que, neste caso, remontam ao contexto da Revolução Chinesa. Fora a circunstância histórica, vale ficar atento aos aspectos religiosos, étnicos, políticos, econômicos e geográficos que podem estar em disputa. Isso vale para todos os casos de conflitos em âmbito internacional. Por último, uma informação para respirar aliviado: informações pontuais, como o número de mortos na guerra ou qual presidente falou uma frase polêmica sobre o conflito nunca vão ser cobradas, pontua o professor. Ou seja, nada de decoreba sobre dados.

O que há de comum entre todos os conflitos

Na análise do contexto geopolítico, é importante pensar nos interesses essenciais comuns a todos países. Segundo Sebastian, são eles: a energia, a matéria-prima tanto para finalidade industrial como bélica, e o escoamento de produção – ou seja, como o país vai distribuir para o restante do mundo seus produtos e, assim, conseguir vantagens econômicas.

Instalações de armazenamento de gás natural próximo da Alemanha. O país é um dos que buscam alternativas ao gás russo, diante da Guerra na Ucrânia. (Stringer/Getty Images)

Além desses, ainda existe um aspecto defendido por qualquer país: a integridade territorial. “Toda nação quer manter o seu território do mesmo tamanho e evitar movimentos que incitem o separatismo na sua região”, explica o professor. O conselho de Sebastian é que o estudante dê atenção a esses quatro pilares – energia, matéria prima, escoamento e território – na hora de pesquisar sobre qualquer país ou tensão internacional. A compreensão desses interesses nacionais, compartilhado por todos, também pode ajudar a fugir da dicotomia entre a “nação boazinha” e a “nação vilã” e fazer uma análise muito mais aprofundada sobre rivalidades e lutas armadas.

O que as provas cobram sobre guerras

Outra exigência dos vestibulares ao tratar de guerras é o conhecimento da localização. De acordo com o especialista, o estudante precisa ser capaz de identificar o centro do conflito dentro de um mapa e, a partir disso, analisar quais são os países vizinhos desses que estão em guerra e se o conflito pode se espalhar ou não.

Um caso recente pode exemplificar como se dão os desdobramentos ao redor de uma luta armada. Em resposta à invasão da Ucrânia pela Rússia, em maio de 2022, a Finlândia e a Suécia, que também estão bem próximos do território russo, entraram no processo de adesão à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) . Os pedidos para entrada na aliança militar ocidental envolvem atores internacionais importantes como os Estados Unidos e outros países-membros da Otan. Esse caso pode ter outros desdobramentos, que os alunos devem ficar atentos.

Outro aspecto na linha das consequências que merece atenção dos candidatos é a questão dos refugiados. “O aluno deve olhar para o número de pessoas que precisaram fugir do seu país por falta de condições de saúde, alimentícias e de segurança e também olhar no mapa, mais uma vez, e pensar quais países têm maior probabilidade de receber esses refugiados e como eles vão ser acolhidos ou não nesse novo ambiente”, explica o professor de Geografia.

Como Rússia e a Ucrânia já caíram no vestibular

Em 2022, uma questão da segunda fase da Unicamp tratou da importância do Mar Negro para a Rússia, a partir do episódio de disputa pela Crimeia, em 2014. “A banca não queria saber sobre o conflito da anexação da Crimeia. O aluno, a partir do conhecimento geográfico, deveria explicar qual é o interesse sobre o Mar Negro”, explica o professor Sebastian.

Veja a resolução da questão acima feita pelos professores do Anglo neste link.

Como conflitos internacionais aparecem no Enem

O caso do Enem é ainda mais específico, já que a prova é feita com bastante antecedência a partir de um banco de questões previamente aprovado. É possível, por exemplo, que a prova trate da questão do mar do sul da China, mas, segundo o professor, o exame não questionará sobre um possível conflito entre o país e Taiwan.

A tendência é que o exame trate de conflitos que tenham raízes mais antigas, como é o caso da Guerra na Síria, que teve início em 2011 com a Primavera Árabe, uma onda de manifestações populares contra governos autoritários que se espalhou por países do Norte da África e do Oriente Médio.

A cidade de Raqqa, na Síria, sofreu um grande impacto durante a guerra no país, quando chegou a ser controlada pelo Estado Islâmico. (Mahmoud Bali – VOA/Wikimedia Commons)

Na Síria, especificamente, os protestos ocorreram contra o governo de Bashar al-Assad, no poder desde 2000 e membro de uma família que governa o país há décadas. Quando a pressão popular se intensificou, o presidente reagiu reprimindo as manifestações com violência militar. Ele também acusava a existência de milícias rebeldes e mercenários entre os civis tentando um golpe de Estado. Não demorou muito para que uma guerra civil envolvendo também outras nações tomasse o país, com o envio de recursos financeiros, armas e até mesmo soldados estrangeiros.

Quais conflitos estudar

Apesar de mobilizar as atenções do mundo todo, a Guerra na Ucrânia está longe de ser a única que devasta cidades e populações na atualidade. O professor Sebastian chama a atenção para a disparidade entre a cobertura da mídia de conflitos envolvendo países subdesenvolvidos em comparação a guerras com países mais ricos. Também é perceptível que conflitos que ocorrem em sociedades brancas costumam ser muito mais alardeados do que aqueles que envolvem sociedades negras. “Podemos alegar que isso é um reflexo de um uma construção de narrativa racista e xenofóbica”, diz o professor.

Um apoiador houthi carrega uma arma durante um protesto contra os EUA e a Arábia Saudita pedindo o fim da guerra no Iêmen. (picture alliance / Colaborador/Getty Images)

Ele explica que o vestibular não vai cobrar uma guerra que é de conhecimento muito restrito, mas existem conflitos que quase não têm espaço no noticiário e que os estudantes devem ficar atentos. É o caso da Guerra do Iêmen, o conflito muito antigo entre Israel e Palestina e as tensões em Mianmar.

 

 

 

 

Veja também

19 de janeiro de 2022

Guia rápido de profissões: área de Exatas

1) Engenharias (Civil, Mecânica, Elétrica, Ambiental, etc.) Os engenheiros, de maneira geral, usam seus conhecimentos técnicos e científicos para criar, […]

Leia mais
11 de maio de 2022

Dicas infalíveis para revisar a matéria do vestibular

O vestibular que acontece no meio do ano está chegando. É importante revisar seus estudos, colocar em prática o que […]

Leia mais
05 de maio de 2023

MASP Escola apresenta quatro cursos de História da Arte online

O MASP – Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand apresenta, entre março e julho de 2023, quatro cursos online de Histórias da […]

Leia mais

Nossos Parceiros

Quem está conosco transformando vidas e oferecendo o sonho do ensino superior.

Assine nossa newslettere fique por dentro das novidades!